A RAINHA DAS DISCIPLINAS CONSTRUÇÃO NAVAL CRIAÇÃO DE VALOR COM A TECNOLOGIA DE SOLDAGEM CERTA

Balsas, lanchas, navios cargueiros, gigantescos navios de cruzeiro: nos cais de empresas de construção naval como a Blohm&Voss, encontra-se todo tipo de embarcação capaz de transportar mercadorias ou pessoas pela água. Além de construções novas, há navios atracados para trabalhos de manutenção e reparo ou para uma inspeção de estado. Em média, o tempo de permanência no estaleiro é de uma a duas semanas. As fontes de solda TransSteel e TPS/i da Fronius são frequentemente utilizadas aqui. Até 150 soldadores trabalham com elas em um navio.

Aproximadamente 40.000 navios mercantes transportam 90 por cento do tráfego de mercadorias mundial. A tendência é de crescimento: até 2020, os especialistas estimam um aumento anual de dois a três por cento. „Os estaleiros alemães estão repletos de encomenda para os próximos anos“, afirma Martin Juhn, Key Account Manager na Fronius Alemanha. Segurança contratual, confiabilidade na entrega e qualidade são aspectos importantes quando o índice de ocupação é alto. Isso também se reflete nas exigências aos sistemas de soldagem utilizados. Eles precisam ser fáceis de manusear, projetados para dois ou três turnos e robustos, pois precisam suportar as influências do clima e a constante troca de usuários.

TEMPO É DINHEIRO

„Os custos permanentes são enormes – precisamos pagar altas quantias por hora no cais“, conta Juhn. Os soldadores trabalham sob a pressão de soldar rapidamente cordão de alta qualidade, que precisem do mínimo possível de retrabalho e que resistam aos severos testes de qualidade com ultrassom ou radiografia. O trabalho ainda é dificultado pelas diferentes espessuras de chapa. Elas vão de quatro milímetros, por exemplo no deque principal, até 50 milímetros em construções especialmente exigidas, como o fundamento da máquina. Um dos desafios aqui é a aplicação de calor, que precisa ser ajustada conforme a espessura do material para evitar tensões, pontas de rigidez e fissurações. Nesse sentido, a série TransSteel da Fronius auxilia o usuário com inúmeras curvas características, como „SteelDynamic“, para aumentar a velocidade de soldagem e a penetração de solda.

A aplicação de calor é especialmente problemática quando é relevante que os resultados de soldagem sejam visualmente perfeitos. Eventualmente, as cordão precisam ser retrabalhadas. Por isso, quando soldam reforços do casco e de outras instalações na parte interna de um navio, os soldadores do estaleiro holandês SLOB em Papendrecht também aquecem, ao mesmo tempo, o revestimento externo nos respectivos pontos a cerca de 400 graus célsius. O resultado é um navio com exterior perfeito, sem deformações.

Além do know-how especial, os equipamentos técnicos também são importantes, principalmente quando materiais alternativos estão conquistando a construção naval. A SLOB também quer produzir cada vez mais cascos de alumínio, o que requer muita experiência. Pois o metal leve tem um ponto de fusão mais baixo e uma condutividade de calor mais alta do que o aço. A dilatação térmica também é maior, o que pode provocar tensões e, consequentemente, uma deformação não controlada. A plataforma de sistema de soldagem TPS/i da Fronius pode auxiliar os usuários: Graças ao processo de pulsação PMC (Pulse Multi Control), o arco voltaico permanece extremamente estável. O resultado são cordão de soldagem extremamente limpas.

Além disso, o processo PCS (Puls-Controlled-SprayArc) se firmou na construção naval. Ele combina o arco voltaico de impulso, com pouco respingos, diretamente com o arco voltaico-faiscando, permitindo assim um processamento rápido e com pouca deformação. Durante o teste do método, os responsáveis pelo estaleiro SLOB também constataram que a cordão de soldagem fica qualitativamente perfeita mesmo sem uma anterior limpeza da superfície. Dessa forma, é possível eliminar o habitual polimento em aplicações de soldagem nos navios de alumínio – uma vantagem em termos de tempo e custo para todo estaleiro.

NOVOS MATERIAIS COMPÓSITOS – NOVOS DESAFIOS DE SOLDAGEM

„As paredes de um navio precisam ir ficando mais finais na direção de cima e, ao mesmo tempo, o isolamento acústico não pode piorar“, explica Martin Juhn. Para garantir um bom isolamento acústico mesmo assim, utilizam-se materiais-sanduíche, como a chapa naval Bondal® da Thyssen. Trata-se de um material compósito com uma camada de plástico, que absorve vibrações, entre duas chapas de aço. O que é crítico na soldagem das chapas especiais é a penetração de solda. A fonte de solda TPS/i da Fronius solda as chapas com uma curva característica desenvolvida especialmente para isso.

Independentemente de se utilizar aço, alumínio ou materiais compósitos, o tamanho, o peso, a forma individualizada e o comportamento específico do material na soldagem impedem um elevado grau de automatização na construção naval. Consequentemente, a habilidade do trabalhador no estaleiro e as propriedades do sistema de soldagem são decisivos para a qualidade da cordão de soldagem.